Externato Marista de Lisboa

"Formar bons cristãos e virtuosos cidadãos"




O lema para o ano letivo 2018-2019 é Muda!, conceito que está intimamente ligado à vida. Desde a evolução do planeta e dos seres vivos, às mudanças que aconteceram ao longo da história da Humanidade e ao longo da nossa própria história pessoal.

O desenho circular do cartaz inspira-se no próprio lema e está pensado para que possa ir girando, sendo também uma mudança em si próprio. Os nomes das quatro províncias maristas envolvidas atuam como fronteiras, delimitando quatro zonas possíveis. Todas juntas também marcam uma cruz, que representa o nosso centro, quem somos.

A palavra Muda!, aparece duplicado em espelho no centro do cartaz, sendo uma orientação e lembrança permanente deste apelo. Os elementos do cartaz estão organizados para que, qualquer que seja a perspetiva, há sempre algo para ver, algo que nos chama o olhar…

As figuras de origami – o avião, a estrela, o pássaro e o barco - marcam quatro grandes zonas distintas, com cores diferentes.

A zona do avião, significa (re)começar, pormo-nos em marcha, começar novos projetos, planificar, marcar objetivos, sonhar… Relaciona-se com as nuvens – que nos convidam a olhar para o céu, a não ter limites, a contemplar, a parar e a imaginar.

O avião marca também o início da linha descontínua,  que se reparte por todo o círculo, embora de forma um pouco irregular, quase a lembrar uma espiral… é um convite para pensarmos no sopro do Espírito Santo, que nos dá vida e acompanha.

Temos também a silhueta de Hermitage, a nossa casa mãe, porque é o início comum a todos os maristas e, em qualquer mudança, temos sempre de partir de quem realmente somos.

A estrela, que representa o Advento e o Natal, o horizonte, o novo ano… A estrela mostra-nos o caminho, à semelhança dos Reis Magos para encontrar Jesus, o nosso referencial, a bússola que deve orientar este ano de metamorfose.

Nesta zona encontramos uma menina com um coração visível e braços abertos, que vão ao encontro dos outros e uma pomba, símbolo universal da paz e da fraternidade entre os homens.

A zona do pássaro, significa solidariedade e voluntariado, quaresma e Páscoa, a primavera, o contacto e o respeito pela natureza, que também sofre profundas transformações, o cuidado com a nossa casa comum, para o qual o Papa Francisco nos alerta na carta encíclica Laudate Si.

As violetas, que podemos ver nesta zona, além de ser uma manifestação da natureza que explode de vida nessa altura do ano, são um símbolo profundamente marista, que evocam a simplicidade, a humildade e a modéstia que deve guiar as nossas ações e a nossa própria mudança.

Encontramos também um menino com o coração. Um coração disponível, aberto aos outros e à presença de Deus deve ser um objetivo para a nossa própria metamorfose.

Para a altura do verão, temos o barco… como ele esperamos chegar a bom porto, em que crescemos interiormente, em que formamos uma tripulação que trabalhou em equipa para superar qualquer desafio. Partimos para diferentes lugares e atividades, zarpamos em busca de novos horizontes, não nos acomodamos. Mudámos e temos de agir.

Mas não vamos sozinhos… temos a companhia de Maria, a nossa Boa Mãe, que está representada com um anagrama no barco e a quem nos confiamos, como o nosso fundador fez, ao longo de toda a sua vida. Encontramos aqui também a figura de Marcelino, numa adaptação gráfica da estátua que se situa na basílica de São Pedro, que representa o que deve ser um educador marista: uma figura de apoio, rodeada de crianças.

A mudança que queremos plantar durante este ano não é uma mudança porque sim, ou pela mera vontade de variar, o que nos poderia levar a uma busca fútil e constante de novidade e a viver o dia a dia com superficialidade.

A mudança que queremos provocar nas nossas comunidades e famílias deve nascer de uma necessidade interior de transformação, que nos muda a nós e nos impele a ser mudança no mundo. É uma mudança que baseia na criatividade, na inovação, na espiritualidade, no desenvolvimento interior, que nos convida a ser melhores, a aceitar, a agradecer, a sair da zona de conforto, a sermos felizes.

Viver e educar com base no lema deste ano, é uma oportunidade para crescer e para viver em conjunto o sonho de Champagnat de sermos SEMENTES DE MUDANÇA que ajudem a transformar a sociedade em que vivemos.

Como afirmou Gandhi “Sê a mudança que queres ver no mundo!”. Porque se queremos provocar mudanças efetivas, estas devem começar em nós próprios.


Lema 2018-2019