Externato Marista de Lisboa

Lema 2021/2022

    

Escuta

“Quem tem ouvidos para ouvir, oiça!” Mt 13,9

"Desperta" recorda-nos que devemos estar atentos e vigilantes ao que se passa à nossa volta, especialmente no que se refere ao cuidado do nosso mundo.

Na nossa vida quotidiana, usamos este conceito de maneiras muito diferentes. A escuta é uma ação essencial para a construção de sociedades fraternas nas quais todas as pessoas tenham o seu lugar dentro da nossa Casa Comum, a Terra.

Queremos, a partir do nosso campo educativo, dar ao lema «Escuta» uma abordagem que nos aproxime de uma forma abrangente, holística, capaz de abarcar todas as dimensões e os âmbitos da pessoa; tentamos escutar as pessoas não apenas através das suas palavras, mas também através das suas histórias individuais e como parte de um coletivo.

Escutar é acima de tudo uma atitude vital! Própria daquele que agarra a vida e de forma ativa e consciente acolhe aquilo que o rodeia, mas também, e sobretudo, tudo aquilo que brota do seu interior. Porque a Escuta não pode ser apenas um sintonizar de frequência, ou conectar a uma qualquer rede ou sinal.

S. Bento de Múrcia, padroeiro da Europa e iniciador da vida monástica, escreveu no prólogo da Regra de Vida: “Escuta e inclina o ouvido do teu coração”; é com esta chave que queremos ler o lema deste ano. Porque não existe apenas uma escuta com os ouvidos – dos ruídos, sons e vozes - mas sobretudo um escutar com o coração, uma escuta profunda, que precisamos de aprender e desenvolver.

Nos últimos anos, o Papa Francisco tem, de forma incansável, contrariando uma cultura da indiferença, do preconceito, do conflito, chamado a atenção para a importância da escuta:

- A Escuta torna possível um intercâmbio de dons, num contexto de empatia. (Christus Vivit, 38)

- Uma verdadeira abordagem ecológica (implica) ouvir tanto o clamor da terra como o clamor dos pobres. (Laudato Si, 49)

- Sentar-se a escutar o outro, caraterístico dum encontro humano, é um paradigma de atitude recetiva, de quem supera o narcisismo e acolhe o outro, presta-lhe atenção, dá-lhe lugar no próprio círculo. (Fratelli Tutti, 48)

Nunca como hoje, precisamos de escutar, partilhar, acolher, crescer na empatia com o outro.

Este ano vamos aprender a escutar! Vamos sintonizar o nosso coração para a escuta! Em primeiro lugar sintonizar cada colégio, cada obra educativa para a escuta de cada criança, da sua história, da sua vida, das suas necessidades. Depois ajudar as nossas comunidades a fazer silêncio, escutar e abrir o coração à Vida que nos rodeia.

Porque a escuta é a primeira forma de ternura (Papa Francisco) e de amar – Para educar é preciso amar, é preciso escutar!