Externato Marista de Lisboa

Marcelino Champagnat



VIda e obra do nosso fundador

Marcelino Champagnat nasceu a 20 de maio de 1789, em Rosey, Marlhes (França).

O seu pai João Batista, desempenhou diversas funções importantes durante a Revolução Francesa, a partir de 1791 exerceu o cargo de secretário, de coronel da pequena guarda de Marlhes e juiz de paz. Marcelino, o nono de dez irmãos, aprendeu com o pai o amor ao trabalho e o espírito empreendedor. Da sua mãe e da sua tia, que tinha sido Irmã e se tinha refugiado em casa do irmão durante o período revolucionário, recebeu uma educação religiosa bastante esmerada, com uma grande devoção a Maria.

As suas aprendizagens escolares foram escassas, pois abandonou a escola bastante novo, não se identificando com os métodos de ensino, e dedicou-se ao trabalho no campo, onde demonstrou um grande sentido prático.

Quando tinha 14 anos, Marcelino recebeu a visita de um sacerdote que o convida a ingressar no seminário. Apesar dos receios da sua família, devido à sua fraca preparação académica, Marcelino manteve-se firme no seu propósito “porque Deus o quer!” e, apesar das dificuldades, em novembro de 1805, ingressa no seminário menor de Verrières. Estes anos de superação das suas limitações e de firme convição são para Marcelino uma etapa de verdadeiro crescimento humano e espiritual.

Em 1813 ingressou no seminário maior de Lyon, onde foi ordenado sacerdote a 22 de junho de 1816. No dia seguinte, Marcelino e alguns dos seus colegas, entre os quais João Cláudio Colin, fundador dos Padres Maristas, subiram ao santuário de Nossa Senhora de Fourvière, onde se consagraram a Maria e colocaram sobre a sua proteção o seu projeto de criar a “Sociedade de Maria”.

A 15 de agosto de 1816 é enviado como coadjutor para La Valla, onde a sua pregação simples e direta, a devoção a Maria e o seu zelo apostólico marcam profundamente a população. A sua preocupação em “tornar Jesus Cristo conhecido e amado” por todas as crianças e jovens, faz com que a 2 de janeiro de 1817, fundasse o Instituto dos Irmãozinhos de Maria, com os seus dois primeiros discípulos João Maria Granjon e João Batista Audras.

Sem tardar abre escolas. As vocações vêm, e a primeira casa, apesar de aumentada pelo próprio Marcelino, torna-se logo pequena demais. Mais tarde e com muito esforço, Champagnat construiu o centro de Nossa Senhora de L’Hermitage, onde reuniu os Irmãos e os formava, incutindo neles o respeito, o amor às crianças e a atenção aos que mais precisam.

Após inúmeras dificuldades, a 29 de abril de 1836, a Santa Sé reconhece a Sociedade de Maria.

A doença prevalece sobre sua robusta constituição. Esgotado pelo trabalho, morre aos 51 anos de idade, a 6 de junho de 1840, deixando aos seus Irmãos esta mensagem: "Que haja entre vocês um só coração e um só espírito! Que se possa dizer dos Irmãozinhos de Maria como dos primeiros cristãos: 'Vejam como eles se amam!'".

A 18 de abril de 1999 foi canonizado em Roma pelo Papa João Paulo II.



Pode consultar mais informação nos sites de Maristas Compostela ou de Champagnat.org.


Pode ver um vídeo de animação sobre a vida de Marcelino aqui.